Sábado, 18 de Julho de 2009

Autor: Charlaine Harris

Edição/reimpressão: 2009
Páginas: 272
Editor: Saída de Emergência
ISBN: 9789896371180

 

Sinopse:

Uma grande mudança social está a afectar toda a humanidade. Os vampiros acabaram de ser reconhecidos como cidadãos. Após a criação em laboratório, de um sangue sintético comercializável e inofensivo, eles deixaram de ter que se alimentar de sangue humano. Mas o novo direito de cidadania traz muitas outras mudanças…
Sookie Stackhouse é uma empregada de mesa numa pequena vila de Louisiana. É tímida, e não sai muito. Não porque não seja bonita - porque é - mas acontece que Sookie tem um certo "problema": consegue ler os pensamentos dos outros. Isso não a torna uma pessoa muito sociável. Então surge Bill: alto, moreno, bonito, a quem Sookie não consegue ouvir os pensamentos. Com bons ou maus pensamentos ele é exactamente o tipo de homem com quem ela sonha. Mas Bill tem o seu próprio problema: é um vampiro. Para além da má reputação, ele relaciona-se com os mais temidos e difamados vampiros e, tal como eles, é suspeito de todos os males que acontecem nas redondezas. Quando a sua colega é morta, Sookie percebe que a maldade veio para ficar nesta pequena terra de Louisiana.
Aos poucos, uma nova subcultura dispersa-se um pouco por todos os lados e descobre-se que o próprio sangue dos vampiros funciona nos humanos como uma das drogas mais poderosas e desejadas. Será que ao aceitar os vampiros a humanidade acabou de aceitar a sua própria extinção?

 

A propósito...

Compreendam que durantes 11 anos de afastamento dos livros, todas as tentativas efectuadas para voltar a ler foram com literatura do género da que eu costumava ler. Obras de ficção/fantástico não estavam de todo na lista de possibilidades. Li sempre um pouco de tudo, mas o fantástico estava fora das minhas escolhas. Percebo que também só  recentemente o mercado tem estado mais receptivo a este tipo de literatura e eu, provavelmente, só estava à espera de um género literário que me captasse a atenção de novo.

 

Isto para dizer que, vão haver muitos vampiros daqui para a frente. Não só, mas muitos :)

 

Na minha opinião...

A Saga Sookie Stackhouse da qual esta obra faz parte, já foi iniciada em 2001, muitos antes dos Cullen nos serem apresentados, o que quer dizer que já havia vampiros "bons" muito antes de Twilight. Mas, em boa verdade, achei o livro fraquinho. Fiquei com a sensação que foi quase escrito à pressa , e a parte mítica podia ser um bocadinho mais explorada, já que o slogan são os vampiros. De todo o modo, as cenas são todas muito cruas. Falta-lhes intensidade, diria mesmo. 

 

Lê-se bem, com certeza, mas não me vi ficou a vontade de ler mais livros da Saga. E depois de ter visto os primeiros 11 episódios da série (reconheço que não consegui forçar-me a ver mais nenhum...) tive a absoluta certeza que a Anna Paquin se devia ter ficado pelo piano e que gosto dos (meus) vampiros menos labregos .



publicado por ladybug às 04:09
mais sobre mim
Julho 2009
Dom
Seg
Ter
Qua
Qui
Sex
Sab

1
2
3
4

5
6
7
8
9
10
11

13
14
15
16
17

20
21
22
23
25

26
29
30
31


Whislist

Confissões ao Luar, Alice Hoffman
333, Pedro Sena-Lino

arquivos
2010

2009

pesquisar neste blog
 
blogs SAPO